Clipping - 22/12/2017

A CDL de Florianópolis deseja a todos um Feliz Natal!


CDL de Florianópolis

NSC: NSC Notícias
Pauta: Taxa de Resídos Sólidos
Clique aqui para assistir na íntegra.

Ric Record: Ric Notícias
Pauta: Taxa de Resídos Sólidos
Clique aqui para assistir na íntegra.

Geral

Fonte: Notícias do Dia

Prefeitura divulga programação da virada do ano em Florianópolis

Além do show de fogos, haverá apresentação de bandas locais na Beira-Mar Norte

O show de fogos de Florianópolis está garantido para a virada do ano. A prefeitura anunciou na tarde desta quinta (21) que serão 12 minutos ininterruptos de fogos de artifício na Avenida Beira-Mar Norte no Réveillon.

Além da área central, quem estiver em outros balneários da Capital também poderá contemplar o show de fogos. A pirotecnia está confirmada para Ingleses, Armação, Pântano do Sul, Lagoa da Conceição, Costa da Lagoa, Barra da Lagoa, Tapera, Ribeirão da Ilha e Campeche.

Na avenida Beira-Mar Norte haverá apresentações de bandas locais no bolsão do trapiche a partir das 20h. Após a virada, a banda catarinense Dazaranha encerra a festa de Ano-Novo da cidade.

“Nos esforçamos para manter a grande festa de Réveillon na Avenida Beira-mar Norte, mesmo com diversos problemas financeiros que enfrentamos neste ano. Convido a todos para participar deste momento especial com um fantástico show de fogos de artifício”, afirma o prefeito Gean Loureiro.

>> Programação completa dos shows
20h - Cores de Aidê
21h - Kadência do Samba
22h - Hit Me
23h - Marelua
00h15 - Dazaranha


Fonte: Notícias do Dia

Confira quais serviços funcionam durante o Natal em Florianópolis

Comércio, transporte coletivo e outros serviços atendem em horários diferenciados neste domingo (24)

A chegada das festas de fim de ano altera a rotina de muitas pessoas e também o expediente de alguns dos serviços utilizados por elas. As principais alterações para este Natal ocorrem no domingo (24) e na segunda-feira (25). Em Florianópolis, muitos serviços básicos não funcionarão no dia 25. As UPAs (Unidades de Pronto-Atendimento) Sul e Norte atenderão casos de urgência e emergência e os Centros de Saúde funcionarão normalmente.

A Comcap (Companhia Melhoramentos da Capital) vai trabalhar em esquema especial nas vésperas e após os feriados. As lojas do Centro da cidade e as redes de supermercado funcionam em horário especial no domingo e fecham na segunda-feira. Os clientes precisam ficar atentos, pois as unidades dos supermercados podem atender em horários diferentes.

A Celesc (Centrais Elétricas de Santa Catarina) e a Casan (Companhia Catarinense de Água e Saneamento), por outro lado, deverão fechar os respectivos atendimentos físicos e disponibilizar apenas os plantões. A normalidade será retomada na terça-feira (26).

As unidades da rede de educação do município e do Estado já estão em férias.

O transporte coletivo deverá operar com os horários de domingo durante a véspera e o dia de Natal.

As Delegacias de Polícia Civil, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros estarão disponíveis durante o domingo e a segunda-feira. No âmbito rodoviário, a PRF (Polícia Rodoviária Federal) funciona normalmente durante o Natal.

SERVIÇOS

Comcap

A Comcap informa que neste feriado de Natal a coleta de resíduos sólidos em Florianópolis vai operar da seguinte forma:

22/12 (sexta-feira): coleta convencional e seletiva normais
23/12 (sábado): coleta convencional e seletiva normais
24/12 (domingo): apenas coleta na orla em Jurerê, Daniela, Ponta das Canas, Cachoeira do Bom Jesus, Praia Brava, Ingleses, Santinho, Avenida das Rendeiras na Lagoa, Barra da Lagoa, Mole, Joaquina, Açores, Pântano do Sul, Armação e Lagoa do Peri. Não tem coleta seletiva.
25/12 (feriado de Natal): Durante a manhã, a coleta convencional na orla em Jurerê, Daniela, Ponta das Canas, Cachoeira do Bom Jesus, Praia Brava, Ingleses, Santinho, Avenida das Rendeiras na Lagoa, Barra da Lagoa, Mole, Joaquina, Açores, Pântano do Sul, Armação e Lagoa do Peri. No período da tarde, ocorre no Sítio Capivari, Ingleses e Rua Leonel Pereira na Cachoeira do Bom Jesus. A noite será feita a coleta convencional normal (centro da cidade e praias onde haverá coleta noturna no verão: Daniela, Jurerê Internacional e Jurerê Tradicional até a SC-402, Cachoeira do Bom Jesus, Ponta das Canas e Praia Brava).

Bancos

As agências fecham na segunda-feira (25) e reabrem na terça-feira (26).

Celesc e Casan

A Casan estará atendendo por meio do plantão de atendimento 24h. As agências estarão fechadas na segunda e voltam a abrir na terça-feira.

A Celesc, da mesma forma, antende apenas emergências apenas via telefone. Atendimento presencial será retomado apenas na terça-feira.

Coleta de lixo

A Comcap não informou qual será o horário da coleta de lixo nos dias 24 e 25..

Comércio

O comércio do Centro de Florianópolis funciona até às 22h até o sábado. No domingo, as lojas ficam abertas até às 17h. De acordo com o Sindilojas, o varejo de rua não funcionará na segunda-feira (25) e reabre na terça, em horário normal.

Educação

As escolas das redes de ensino municipal e estadual estão em período de férias.

Mercado público

Segundo o horário de Natal divulgado no site do Mercado Público, as lojas e peixarias irão funcionar até às 22h no sábado (23) e até às 17h no domingo. Na segunda-feira, o Mercado não abre, mas a partir de terça, as atividades seguem a rotina.

Saúde

Os Centros de Saúde fecham no dia do Natal e funcionam normalmente nos demais dias. As Unidades de Pronto-Atendimento irão atender situações de urgência e emergência.
Os atendimentos nos hospitais públicos e no Cepon serão mantidos em esquema de plantão durante todos os dias.
A rede do Hemosc não funcionará entre os dias 23 e 25 de dezembro.

Shoppings

O Beiramar vai funcionar das 10h às 23h até o sábado (23). No domingo (24), o shopping abre às 10h e fecha às 17h. No dia do Natal, não há expediente. Em 31 de dezembro, o Berimar fica aberto entre 10h e 17h. Apenas a praça de alimentação e áreas de lazer abrem no dia 1 de janeiro.

Floripa abre até às 23h até o dia 23. Na véspera do Natal, o funcionamento será das a0h até às 17h. No dia 25, as lojas estarão fechadas.

No Iguatemi, a praça de alimentação e as lojas funcionam das 10h às 23h até o sábado (23). No domingo (24), o shopping fica aberto até as 17h. As lojas fecham para o Natal e reabrem na terça-feira.

O shopping Itaguaçu, fica aberto até às 23h até o sábado. No domingo, o funcionamento será entre às 10h e 17h. As lojas não abrirão na segunda-feira. Assim como no Continente Shopping, também em São José.

Supermercados

Angeloni e Giassi estarão fechados na segunda-feira.

Bistek funciona das 7h às 18h no domingo e fecha na segunda-feira.

O Fort Atacadista abre na véspera de Natal das 7h até às 20h. No dia 25, as lojas estarão fechadas.

Hippo terá a loja da rua Almirante Alvim aberta das 8h às 16h no domingo. Na loja da Pedra Branca, na Palhoça, os serviços iniciam às 9h e terminam às 16h. Nenhuma das unidades abre na segunda-feira.

Os supermercados Imperatriz, funcionarão no dia 24, os horários podem variar dependendo da loja. No dia 25, as lojas estarão fechadas.

Transporte coletivo

O transporte coletivo irá funcionar em horário de domingo no domingo e na segunda-feira.


Fonte: Notícias do Dia

Governador sanciona lei que proíbe cassação da CNH por multas antigas em SC

A lei também prevê que o Detran notifique o motorista que se cadastrar pela internet de que está perto de perder a carteira, ao atingir 15 pontos

O governador Raimundo Colombo sancionou na manhã desta quinta-feira (21), o projeto de Lei nº 81.7, para dar mais transparência ao processo de suspensão da carteira de motorista. O Detran/SC (Departamento Estadual de Trânsito de Santa Catarina), agora é obrigado a realizar a notificação de suspensão da CNH (Carteira Nacional de Habilitação) no mesmo ano em que a pessoa acumula 20 pontos na carteira. Com isso, o órgão de trânsito não poderá suspender o direito de dirigir dos motoristas que extrapolaram a pontuação em 2012, 2013, 2014, 2015 e 2016.

A lei também prevê que o Detran/SC notifique o motorista que se cadastrar pela internet de que está perto de perder a carteira, ao atingir 15 pontos, por exemplo. É mais uma medida para devolver o caráter educativo do processo de pontuação na CNH.

O projeto de lei, de autoria do deputado estadual Gelson Merisio, foi aprovado na Alesc (Assembelia Legislativa de Santa Catarina) neste mês de dezembro. Com isso, todos os efeitos da nova legislação passam a valer. O ato será publicado no Diário Oficial do Estado.

O deputado Merisio explicou que milhares de condutores excederam a pontuação nestes últimos anos e não tiveram, no momento oportuno, a cobrança desses pontos feitos pelo Detran, de forma que estavam tendo a carteira suspensa de forma retroativa.


Fonte: Diário Catarinense

Relatório de balneabilidade da Fatma traz novos pontos impróprios para banho em SC

Aumentou o número de pontos impróprios para banho em Santa Catarina. O terceiro relatório de balneabilidade da temporada 2018 foi divulgado nesta quinta-feira (21) e mostra que doze locais deixaram de ser próprios e outros três passaram para a condição de próprios.

O relatório mostra que 77,7% dos pontos do litoral catarinense estão em condições, contra 82,3% do último documento. As análises da Fundação do Meio Ambiente (Fatma) foram realizadas de 18 a 21 de dezembro, em 114 praias de 27 cidades. Ficaram próprios para banho um ponto em Canasvieiras, um em Penha e outro em Barra do Sul. E passaram para impróprios quatro pontos de Florianópolis (Lagoa da Conceição, Riozinho do Campeche, Armação e Coqueiros), dois de Governador Celso Ramos (Armação da Piedade e Praia do Antenor) e um em Balneário Rincão, Bombinhas, Itapema, Passo de Torres, Penha e São Francisco do Sul.

O gerente de Pesquisa e Análise da Qualidade Ambiental da Fatma, Oscar João Vasquez Filho, explica que a causa do aumento de pontos impróprios são as chuvas que caíram no Estado no início dessa semana.

— Sempre recomendamos que em caso de enxurradas, as pessoas evitem o banho de mar em locais de saídas de rios e pluviais por 24 horas — orienta.

Devido ao período de festas de final de ano e recesso do serviço público e dos laboratórios parceiros da Fatma, as próximas coletas e análises serão feitas entre os dias 2 e 5 de janeiro. O quarto relatório da temporada e primeiro de 2018 será divulgado na sexta-feira (05).

— Em caso de chuvas intensas entre o Natal e o Ano Novo, período que não teremos o monitoramento, uma equipe da Fundação, que está de plantão, será acionada para orientar a população — garante Vasquez.

O técnico do Laboratório da Fatma, Marlon Daniel da Silva, dá uma dica importante aos banhistas na hora de escolher a praia para o banho de mar.

— Mesmo que no relatório daquela semana o ponto esteja próprio, sempre indicamos que se observe o histórico do local. Se, na maior parte do tempo está próprio, a chance de estar contaminado é menor que um local que apresenta um histórico de impropridade — salienta o técnico.


Fonte: Diário Catarinense

ICMBio alerta risco de poluição no manguezal do Rio Ratones e praias do norte da Ilha

O comerciante Creony Damasco se surpreendeu, no final de novembro, quando foi pescar às margens do Rio Ratones, com a quantidade de esgoto sendo jogado na água. Ele estava embaixo de uma ponte na estrada de Jurerê (SC-402), no norte da Ilha, e desistiu da pescaria.

— Vim aqui no rio dar uma tarrafada igual fiz a minha vida inteira. Olha a quantidade de peixe que tem aqui. Eu podia ir ali dar uma tarrafada, mas não tenho coragem de entrar nessa água. Olha essa água podre! — reclamou o morador em um vídeo que gravou denunciando a situação.

A poluição vinha de outro rio, o Papaquara, que recebe os efluentes tratados pela Casan na Estação de Tratamento de Canasvieiras. A companhia garante que só o efluente tratado, com 95% de eficiência, é despejado no curso d'água. Já a prefeitura acredita que essa contaminação seja causada por ligações irregulares de residências que despejam seus dejetos in natura no rio ou o trabalho clandestino de algum caminhão limpa-fossa.

O grande problema, alerta o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), é que parte do Rio Ratones tem manguezal, e esse esgoto pode poluir a Baía Norte e as praias da Daniela e do Sambaqui.

O mangue de Ratones é protegido pela Estação Ecológica (Esec) de Carijós, que ocupa uma área de 760 hectares. Lá vive uma quantidade incalculável de animais silvestres como aves, peixes, crustáceos e jacarés. O chefe da Esec, Ricardo Peng, argumenta que o Papaquara é de classe especial, e a legislação não permite o despejo de efluente em suas águas. O ambientalista teme que, durante a temporada, quando a população do norte da Ilha aumenta em até quatro vezes, a estação não consiga tratar todo o volume.

— Aqui é uma área de proteção integral, dedicada exclusivamente à pesquisa. Não tem visitação, não tem trilha. É para ser uma área intocável. Mas de quê adianta ser intocada se a gente receber esgoto? — questiona.

Peng cita uma liminar da Justiça Federal de agosto que impede que a Casan despeje efluentes no Papaquara. O juiz Marcelo Krás Borges determinou que a companhia implemente, em seis meses, um tratamento terciário da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Canasvieiras e, em um ano e meio, uma alternativa de lançamento de efluente que não seja nos rios que desaguam na Estação de Carijós. Cabe recurso.

Também em agosto, a Casan foi multada em R$ 660 mil pelo ICMBio por conta de um vazamento de esgoto in natura durante o último verão em Florianópolis. Um relatório elaborado pelo instituto, com base em dados fornecidos pela própria Casan, concluiu que a ETE foi incapaz de tratar todo o esgoto que recebeu em pelo menos quatro oportunidades entre janeiro e março de 2017. O resultado foi um volume de mais de 33 milhões de litros de efluentes sem tratamento despejados no Papaquara.

Segundo o presidente da Casan, Walter Gallina, as exigências feitas pelo Ministério Público Federal e pela Justiça Federal já estão finalizadas. Para evitar problemas parecidos, foram instalados geradores em todas as 74 estações elevatórias de esgoto da Ilha, responsáveis por captar o esgoto e enviar para a estação de tratamento. Além disso, a ETE de Canasvieiras teve a capacidade aumentada em mais de 100 mil litros/segundo após o episódio da poluição no Rio do Brás.

Estação não despejou esgoto no rio

Na última quarta-feira, a reportagem visitou a ETE de Canasvieiras. O engenheiro químico da Gerência de Meio Ambiente da Casan Alexandre Trevisan mostrou o efluente que vai para o Papaquara. Trata-se de um líquido levemente amarelado. O engenheiro garantiu que o material que o pescador do Ratones registrou jamais sairia da estação.

— Aquele aspecto não tem nada a ver com o que a gente faz aqui. O que a gente faz é justamente o contrário, é pegar aquele esgoto, tratar e devolver em condições para a natureza.

Com relação à posição do chefe da Esec Carijós, de que o Papaquara possui classe especial que não permite o despejo de efluentes, Trevisan argumenta que quem faz essa classificação é a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, e que trata-se de um rio classe 2, que pode receber esse lançamento. Também afirma que o lançamento está autorizado pela licença ambiental da Fatma de operação da estação.

Sobre a expectativa para o verão, o engenheiro assegura que a Casan se preparou para esta temporada.

— A gente chega muito melhor que no ano passado, quando já não houve nenhum problema de repercussão.

Prefeitura diz que incentiva regularização

A prefeitura é o responsável pela fiscalização das ligações irregulares feitas na cidade. E conforme o superintendente de Saneamento e Habitação, Lucas Arruda, a estratégia da fiscalização para o inventivo à regularização mudou. O motivo? A falta de fiscais.

— Uma equipe consegue fazer seis fiscalizações por dia. Com cinco equipes, eu conseguiria fazer 30 por dia. Com 300 mil matrículas, eu demoraria 10 mil dias para fiscalizar toda Florianópolis. Com esses números a gente vê que a fiscalização não tem pernas para resolver o problema. Então a prefeitura mudou de postura e está incentivando a regularização.

Segundo Arruda, o governo municipal está abrindo duas frentes para esta temporada: uma onde há rede coletora de esgoto, através do convênio com a Casan no programa Se Liga na Rede, em que a prefeitura irá até a casa das pessoas executar as obras necessárias ou designará empresas responsáveis para o serviço. A segunda frente é onde não tem rede de esgoto. A prefeitura informou que está credenciando empresas que constroem sistemas individuais e irá até as regiões desassistidas orientar a população.

Bairros que não possuem tratamento de esgoto precisam construir fossas individuais e contratar uma limpa-fossa credenciada pela Casan. Jogar esgoto in natura em cursos de água é crime ambiental, previsto na Lei 9.605/1998.


Fonte: Diário Catarinense

Pedidos de aposentadoria crescem 29,2% em um ano em Santa Catarina

O medo da aprovação da reforma da Previdência tem gerado uma explosão no número de pedidos de aposentadoria em Santa Catarina. Dados fornecidos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) mostram que houve um aumento de 29,22% nos requerimentos no período de um ano. A comparação é entre os meses de janeiro e outubro de 2016 com o mesmo intervalo de tempo deste ano.

Em relação aos dez primeiros meses de 2013, há cinco anos, o crescimento é ainda maior: 60,9%. Se forem consideradas todas as solicitações de benefícios da Previdência, que considera auxílios doenças, pensões e auxílios sociais, houve crescimento de 11,31%.

Outro dado que ajuda a entender essa "corrida pela aposentadoria" refere-se aos tipos de pedidos. O que mais cresceu no período foi justamente o por tempo de contribuição, que sofreria os maiores impactos caso a reforma seja aprovada.

Para o economista José Álvaro Cardoso, supervisor técnico do Dieese-SC, existe uma clara relação entre o aumento de pedidos e a possibilidade de aprovação da reforma. Ele lembra ainda que os últimos três anos foram marcados por uma crise econômica brutal, o que também contribuiu para o maior volume de requerimentos.

— Na falta de uma saída coletiva e com a dificuldade de bloquear o avanço da reforma, as pessoas acabam adotando atitudes individuais — diz.

Ainda segundo Cardoso, houve um movimento bastante semelhante na década de 1990, antes da entrada em vigor do fator previdenciário, no governo de Fernando Henrique Cardoso. Outra consequência desse movimento, diz o economista, é que muitas empresas estão preferindo demitir pessoas que já possuem os pré-requisitos para se aposentar nas regras atuais:

— É uma forma de poupar os empregos de quem ainda não pode (se aposentar). Em muitas vezes, esse desligamento é negociado.

Advogada diz que procura aumentou desde dezembro

Na manhã de terça-feira, a advogada previdenciária Juliana Simentcoski foi à agência do INSS no bairro Capoeiras, em Florianópolis. Ela estava com a documentação de um cliente que havia dado entrada no pedido de aposentadoria, mas que não tinha tido parte do tempo de trabalho reconhecido pelo sistema previdenciário.

A advogada conta que, desde dezembro do ano passado, o volume de trabalho aumentou vertiginosamente e que a maioria dos que estão entrados com os requerimentos são de pessoas que já possuem os requisitos para se aposentar por tempo de contribuição.

— Esse ano foi bem corrido. O pessoal está querendo garantir o benefício — diz.

Também na terça-feira, o professor Sergio Luis, de 57 anos, estava na sala de espera da agência do INSS no centro de Florianópolis. Ele conta que o INSS não reconhece 12 anos em que ele trabalhou na profissão. Nos seus cálculos, já poderia estar aposentado há três anos.

— Trabalho há 37 anos. Espero que eles reconheçam, senão a única saída vai ser entrar na Justiça — conta.

Greve represou requerimentos

Na visão do INSS, parte do aumento registrado em 2016 se deve ao fato de que ocorreu uma greve dos servidores em 2015. Com isso, várias requerimentos ficaram represados e só foram analisados no ano seguinte. Ao mesmo tempo, lembra que também foi no ano de 2015 em que foi aprovada a forma de cálculo 85/95, o que também elevou um pouco o número de pedidos.

Por último, o órgão ressalta que "há uma tendência de crescimento na concessão de benefícios ao longo dos anos em função do próprio envelhecimento. populacional" e que "os cidadãos que já implementaram as condições para a aposentaria não precisam apressar esse processo por receio da reforma, pois poderão optar pela regra que lhes for mais vantajosa".

O que muda?

Hoje, é possível se aposentar por idade (65 anos para homens e 60 para mulheres), tendo um mínimo de 15 anos de contribuição; por tempo de contribuição (35 anos para homens e 30 para mulheres) e pela regra 85/95 (quando a soma da idade mais o tempo de contribuição chega a 85 anos para mulheres e 95 anos para homens).

Com a nova regra, será estipulada uma idade mínima geral de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, com exceção para professores (60 anos para homens e mulheres) e policiais (55 anos para ambos os sexos). O teto da aposentadoria do INSS só será concedido para quem contribuir por 40 anos. Também haverá uma regra de transição para quem estiver perto de se aposentar por tempo de contribuição.

Entrevista com Leonardo Secchi, professor da Udesc e especialista em políticas públicas

Existe uma relação no aumento do números de pedidos com a possibilidade de reforma da previdência?

Sim, em grande parte. Há um crescimento orgânico dos pedidos de aposentadoria devido ao envelhecimento da população brasileira, mas a expectativa de reforma da previdência causou um pico de solicitações. A reforma elaborada pelo governo Temer pode trazer prejuízos para os trabalhadores que estão prestes a se aposentar. Então, para o indivíduo é melhor aposentar dentro do atual regime, do que ser pego de surpresa pelo novo modelo.

O senhor crê que esse número deva continuar subindo nos próximos meses?

Acredito que sim. Até no primeiro semestre de 2018, quando saberemos se o novo modelo será implementado ou não. Essa correria de solicitações de aposentadorias deve cessar depois da aprovação ou rejeição da Reforma da Previdência no Congresso Nacional.


Fonte: SPC Brasil

84% dos brasileiros devem comemorar o Natal; gasto médio com a ceia será de R$ 136, aponta levantamento do SPC Brasil e CNDL

Inflação da ceia de Natal mostra queda de -4,83% na comparação com o ano passado. Sete em cada dez entrevistados pretendem dividir despesas e 58% querem comprar roupa para passar a data. Em um ano, percentual de brasileiros animados com o Natal passa de 29% para 35%

Neste fim de ano, além de pesquisar os valores dos presentes, os brasileiros também devem tomar cuidado para não extrapolar com os gastos nas comemorações de Natal. Um levantamento realizado em todas as capitais pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) revela que o consumidor deve desembolsar, em média, R$ 136,52 com os preparativos da ceia ou do almoço de Natal. A cifra demonstra um comportamento mais cauteloso do consumidor, uma vez que no Natal do ano passado, a intenção de gasto era de R$ 167,90.

Os dados caminham no mesmo sentido que a desaceleração dos preços dos alimentos que compõem a cesta de Natal. Uma análise realizada pelo departamento de economia do SPC Brasil mostra que, enquanto a inflação medida pelo IBGE através do IPCA estava em 2,80% em novembro deste ano, a inflação dos alimentos que são consumidos na ceia de Natal mostrou queda de -4,83% no acumulado em 12 meses. No ano mesmo período do ano passado, enquanto a inflação geral estava em 6,99%, a inflação dos itens natalinos era ainda maior e atingia 11,18%.

73% vão dividir despesas da ceia com familiares

O levantamento também mostra que sete em cada dez (73%) entrevistados pretendem dividir as despesas da festa, compartilhando os custos entre os familiares (37%) ou estipulando que cada membro leve um tipo de prato ou bebida diferente (36%). Por outro lado, 15% garantem que apenas uma pessoa deverá arcar com todas as despesas dos festejos, sejam eles mesmos (9%) ou outro anfitrião (6%).

O educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli, destaca a importância cultural da celebração do Natal, mas lembra que o aspecto emocional não pode ser o único a pesar nas decisões de consumo. “Para evitar que uma data tão importante se transforme em dor de cabeça, é preciso ter planejado os gastos com todos os envolvidos nessa comemoração. A divisão de despesas é uma excelente estratégia, pois permite que as famílias deem a sua contribuição e impede que o gasto sobrecarregue o bolso de uma única pessoa. Além disso, vale pesquisas preços e planejar as compras. O ideal é sair de casa com uma lista para o consumidor não se perder entre tantas opções e acabar cedendo às compras impulsivas”, orienta.

84% dos brasileiros devem participar de confraternizações no Natal; 35% percebem pessoas animadas com Natal, percentual melhor que em 2016

De modo geral, 84% dos brasileiros garantem que irão participar de alguma confraternização do Natal, percentual estável na comparação com 2016 (82%). Como em anos anteriores, o Natal confirma a sua vocação de festa familiar: 78% dos entrevistados pretendem comemorar a data entre familiares, seja na própria residência (40%), na cada de parentes (20%) ou na casa dos pais (18%). Há, ainda, 6% que vão celebrar a data na casa de amigos e 3% que frequentarão igrejas.

Ainda que não seja a maioria dos entrevistados, passou de 29% em 2016 para 35% neste ano, o percentual de brasileiros que acreditam que as pessoas estão contagiadas pelo espirito natalino. Para essas pessoas, o principal motivo da animação são as decorações no comércio (13%), que cria uma atmosfera diferente. Em sentido oposto, caiu de 63% para 56% a quantidade de consumidores que veem um clima de indiferença e desânimo das pessoas com a proximidade das festas de fim de ano.

A pesquisa ainda revela uma preocupação das pessoas em passarem a data bem vestidas e renovadas. Em cada dez brasileiros que vão comemorar o Natal, seis (58%) disseram que vão comprar alguma peça nova de vestuário ou acessório, percentual que sobe para 65% entre as mulheres. Os que não compraram roupa nova representam 25% da amostra, ao passo que 17% estão indecisos. Para esse tipo de aquisição, o gasto médio, deverá ser de R$ 210.

Metodologia

Inicialmente foram ouvidos 730 consumidores nas 27 capitais para identificar o percentual de quem pretendia ir às compras no Natal e, depois, a partir de 611 entrevistas, investigou-se em detalhes o comportamento de consumo no Natal. A margem de erro é de no máximo 3,6 e 4,0 p.p, respectivamente. A uma margem de confiança de 95%.

Acompanhe a CDL de Florianópolis nas redes sociais:

Facebook Twitter Instagram YoutubeCDL de Florianópolis

Para garantir que nossos informativos cheguem à sua caixa de entrada, adicione
o e-mail contato@newscdlfpolis.com.br ao seu catálogo de endereços.

Voltar